BLOG

SUS distribui medicamento que previne o HIV

01 de Junho de 2017

Cerca de 830 mil pessoas do Brasil possuem HIV. Em um País com aproximadamente 206 milhões de habitantes – segundo dados do IBGE de 2016 – a parcela de pessoas infectadas com HIV corresponde a 0,4% da população. É coisa pra caramba, não acham?! Buscando diminuir os casos de infecção e expansão da doença, o Sistema Único de Saúde (SUS) começou na última segunda-feira, 29/05, a distribuição de um medicamento que previne a contaminação pelo vírus do HIV. A proposta do medicamento, o PrEP, é reduzir o risco da aquisição viral através de relações sexuais sem proteção adequada.

PrEP vem de Profilaxia Pré-exposição ao vírus do HIV. O medicamento é antirretroviral, ou seja, ele diminui/previne possíveis danos que o vírus possa causar ao sistema imunológico, pois bloqueia o seu ciclo de multiplicação, impedindo a infecção do organismo. Apesar de não representar a cura para a doença e seu uso não ser indicado à pessoas já infectadas – ele pode causar resistência ao tratamento convencional contra o vírus –, ele é um importante aliado no  controle da infecção, reduzindo o seu risco em mais de 90%. O uso do PrEP pode ser na forma de gel ou em comprimido, forma em distribuição no Brasil e de uso contínuo, já que  o comprimido deverá ser tomado diariamente.

Cerca de 0,4% da população total do Brasil – 830 mil pessoas – possui HIV. Crédito: ESB Professional | Shutterstock

O medicamento já foi liberado pela Anvisa e sua distribuição começou nas seguintes cidades: Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Brasília, Florianópolis, Salvador e Ribeirão Preto. Os hospitais públicos destas cidades têm o prazo de 180 dias para adotar e distribuir o novo medicamento, sendo que gays, homens que transam com outros homens (pessoas do sexo masculino que frequentemente ou esporadicamente têm atividades sexuais com pessoas do sexo masculino, com ou sem penetração anal), profissionais do sexo e transgêneros são considerados populações-chave pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e serão os primeiros beneficiados.

Ainda que a AIDS seja uma doença considerada “estabilizada” no Brasil, o primeiro País da América Latina a utilizar desta estratégia através de um sistema público de saúde, cabe destacar que das quase 830 mil pessoas infectadas, 372 mil não estão em tratamento. Destas, 260 mil já sabem da infecção e 112 mil nem sabem da existência do vírus. Isto reforça – ainda mais – a importância do uso de preservativo durante relações sexuais, que além de ter uma eficácia maior, previne outros tipos de DSTs, como sífilis, gonorreia, hepatites B e C, entre outras.

Vamos cuidar da nossa saúde e da saúde do próximo. Por mais que o medicamento possa ser de fácil acesso, seja consciente e previna-se. A prevenção ainda é a melhor forma de controle e está ao alcance de todos.

Fonte: Portal Brasil.


 

Questões sobre evolução podem aparecer no seu vestibular ou no ENEM. Confira uma questão que caiu no vestibular da UFSC:

Em 2013, completam-se 30 anos da publicação do artigo que divulgava a identificação do vírus responsável pela AIDS, batizado anos depois de HIV. Ao longo dos anos, a AIDS perdeu estigmas antigos e os tratamentos à doença tiveram importantes avanços, melhorando a vida de pacientes infectados. Todavia, não existem metodologias definitivas de cura para a doença ou vacina eficaz. Além disso, a epidemia não está totalmente controlada, sendo o vírus responsável por infectar aproximadamente 35 milhões de pessoas em todo o mundo. O gráfico abaixo apresenta a incidência de novos casos de AIDS na população de Santa Catarina em comparação com dados de todo o país.

Fonte: GE-DST/AIDS/HIV/SINAN/DIVE/SES/SC. [Adaptado]

Utilizando o gráfico acima e conhecimentos relacionados ao HIV/AIDS, indique a soma da(s) proposição(ões) CORRETA(S).

01) O vírus HIV é transmitido somente através de contato com sangue contaminado e de sexo não seguro.   

02) As células atingidas pelo HIV fazem parte do sistema imune, um dos fatores que dificultam o combate à infecção.   

04) As drogas antivirais interferem no ciclo de replicação do HIV, impedindo que ele infecte outras células.   

08) O gráfico mostra que, apesar de haver uma tendência de queda na taxa de incidência de infectados por HIV no Brasil, em Santa Catarina a tendência é de aumento ou manutenção desta taxa nos últimos anos.   

16) O vírus HIV, assim como outros vírus, possui altas taxas de mutação, o que é explicado pela ausência de enzimas de controle e reparo na síntese de seu genoma.   

32) A transcriptase reversa é uma enzima viral responsável pela replicação do DNA do HIV.   

 

 

Resposta: Somatório igual a 30 (02 + 04 + 08 + 16 = 30). [01] INCORRETO: O vírus HIV pode ser transmitido da mãe para o filho via placenta e/ou amamentação. [32] INCORRETO: A enzima transcriptase reversa é responsável pela catálise da transcrição reversa, isto é, pela produção de DNA a partir do RNA viral.  




Confira também

  • A Revolução Verde e a Agricultura Sustentável

    LEIA MAIS
  • Como é produzida a energia nuclear e quais os seus impactos?

    LEIA MAIS
  • Como controlar a população de mosquitos e a disseminação de doenças?

    LEIA MAIS
  • Qual o potencial de urbanização da febre amarela?

    LEIA MAIS